Roteiro Gastronómico pelo Alentejo

O Alentejo permite ao turista passear por vilas e cidades históricas, sempre acompanhado dos melhores pratos e dos melhores vinhos. A dificuldade está na escolha, sendo certo que os praticantes do enoturismo e do turismo gastronómico procurarão reservar o maior número de dias possível para desfrutarem calmamente do que a região tem para oferecer. Aqui ficam algumas sugestões, tendo em vista um roteiro gastronómico pelo Alentejo:

Onde Comer

  • Taverna Os Templários (Monsaraz): sugere-se o porco preto alentejano ou o bacalhau com espinafres, em qualquer dos casos acompanhados com o vinho tinto Reguengos local. Deleite-se com a panorâmica da vila sobre o Alqueva.
  • Restaurante Maçã (Lavre): oferece o ensopado de borrego, tipicamente alentejano, e a sopa de peixe. Se chegar a meio da tarde, pergunte pelos petiscos.
  • Fialho (Évora): conhecido pela favada real de caça e pela sopa de beldroegas.

Onde Beber

  • Carmim Enofórum (Reguengos de Monsaraz): visite as modernas adegas, saiba como são feitos os azeites e prove os vinhos de Reguengos de Monsaraz, que foi a Cidade Europeia do Vinho de 2015.
  • Herdade dos Grous (Beja): além dos vinhos, poderá apTaverna_OsTemplarios-1200x800render mais sobre a criação de cavalos, a agricultura orgânica e a cultura da oliveira.
  • Herdade do Esporão (Reguengos de Monsaraz): a mais antiga unidade de enoturismo de Portugal é uma referência não só pelos vinhos, mas também pela atitude proativa de respeito e preservação da natureza.

Onde Dormir

  • Convento dos Loios (Évora): um dos inúmeros exemplos de recuperação de antigos conventos e mosteiros e da sua reconversão em unidades hoteleiras “premium”.
  • Casa Pinto, Monsaraz: uma “guesthouse” despretensiosa e agradável, com 6 quartos e um terraço com boa panorâmica.
  • 4 Evora Hostel (Évora): decoração moderna e urbana, com uma filosofia “low-cost”, simples e eficaz.
  • Herdade do Vau: a poucos quilómetros de Beja, é uma boa forma de aliar a experiência enoturística a uma exploração da imensa “subprovíncia” que é o Baixo Alentejo; até Serpa, Mértola e Barrancos, de um lado, e até Odemira e ao oceano, do outro.