Porque é o Alentejo Ideal para o Investimento

O Alentejo reúne condições singulares que o tornam atrativo para investir. Descubra algumas boas razões para investir no Alentejo:

Ligações e infraestruturas

Depois de anos de reclamações, hoje é difícil dizer que o Alentejo não está ligado ao resto de Portugal e até à Europa. Herman José já não faz piadas sobre o eterno adiamento da co542761742_cdcdab41d6_znstrução da autoestrada para o Algarve; hoje, é fácil e rápido chegar a qualquer parte através da A2, da A6 e do IP2. As estradas alentejanas estão bem preservadas e não sofrem desgaste, dado o pouco trânsito. Se é certo que as ligações ferroviárias são deficitárias, Beja até tem um aeroporto sub-aproveitado, excelente para receber voos “charter”. Quanto à “internet”, mesmo que a fibra ótica não chegue a todas as localidades, os alentejanos estão tão conectados à rede como os restantes portugueses.

Clima

O clima do Alentejo é o mais quente de Portugal – mais até que o do Algarve, que recebe a influência marítima. As praias da costa alentejana, que estão entre as menos exploradas de Portugal e talvez da Europa, são mais tranquilas que as algarvias, e também não sofrem tanto com a habitual nortada, o vento fresco que se abate sobre o litoral centro e norte durante o verão.

Perspetivas futuras

O momento atual pode ser de viragem entre um passado de estagnação e um futuro de oportunidades económicas. O Alentejo sofre com a desertificação e o envelhecimento da população, e grande parte dos autóctones, em especial os jovens, não vislumbra um futuro na região; a propensão para a venda cresce e faz surgir oportunidades. Por outro lado, o Alentejo tem surgido como destino turístico diversificado. Há vários anos que o “New York Times” vem comparando o Alentejo à Toscânia italiana, motivando a chegada de turistas americanos em busca do clima, da segurança, da gastronomia e dos vinhos.

O investimento em imobiliário pode traduzir-se numa venda com lucro, no arrendamento ou na criação de turismo rural ou de praia. É surpreendente a relativa escassez de oferta hoteleira na costa alentejana, perto da albufeira de Alqueva ou na serra de S. Mamede.