Cicloturismo: Depois da Ecovia do Litoral, um Salto ao Alentejo

A Ecovia do Litoral é o nome pelo qual é conhecida a ecopista que atravessa o Algarve, permitindo aos ciclistas partir da fronteira espanhola e pedalar tranquilamente até Sagres. O trajeto é percorrido por um grande número de cicloturistas e de turistas em busca de férias saudáveis e desportivas, gozando o clima favorável do Sul de Portugal.

Contudo, o caminho não termina na costa vicentina. O Parque Natural do Sudoeste Alentejano e da Costa Vicentina, a par da preservação da natureza, tem-se empenhado na construção de infraestruturas, de modo a cativar os tuZona_Industrial_das_Travessasristas que queiram fugir da confusão urbanística do Algarve ou da Grande Lisboa. Para os turistas estrangeiros, este é por vezes o primeiro contacto que têm com o Alentejo. Já o ponto onde queiram interromper o seu roteiro de bicicleta pelo sudoeste alentejano e voltar ao Algarve depende apenas e só da dispon
ibilidade do cicloturista. Nesta região do país, não existem casinos. Os mais próximos encontram-se no Algarve (Vilamoura) e mais a norte, em Troia, na fronteira entre o Alentejo e a Estremadura. Os jogadores e amantes de casinos que queiram arriscar a sorte durante a viagem podem fazê-lo acedendo à RiverBelle a partir do seu telemóvel ou “tablet”.

Carrapateira

A aldeia da Carrapateira é o centro “urbano” mais próximo de todos os surfistas que se deslocam à praia do Amado, numa região “selvagem” onde não se registam engarrafamentos. As esplanadas dos cafés mostram essa mistura, com uma população envelhecida lado a lado com jovens desportistas de roupa casual. A Rota Vicentina permitir-lhe-á seguir na direção norte, através de Aljezur, Rogil e Odeceixe, até S. Teotónio.

São Teotónio

O concelho de Odemira difere já significativamente de Aljezur e de Vila do Bispo, na medida em que os frutos vermelhos atraíram uma comunidade migrante enorme e flutuante, vinda da Europa de Leste e da Ásia. A freguesia de S. Teotónio revela, assim, uma surpreendente multiculturalidade, tanto mais que são também em bom número os residentes vindos do Norte da Europa e que escolheram a região para passar a reforma ou, simplesmente, mudar de vida.

Continuando para norte, pela rota Vicentina, chegará a Odemira. Aí, tomando a Estrada Nacional 393, seguirá paralelamente ao segmento final do rio Mira até à sua foz, em Vila Nova de Milfontes.